The invasion of Ronnieism

Fevereiro 8, 2008

www.ronskipolski.nl

Anúncios

Joia magazine

Dezembro 11, 2007

www.joiamaga.com
 

Vodpod videos no longer available.

Pocoyo “The movie”

Outubro 10, 2007

6_2

 

Maybe is a good idea, maybe not..we are deeply thinking about it, first of all it`s not the same 6 minutes script than 90 minutes…long way! Will it works?..and what about white backrounds…definitily we have to think about other places, underwater, space, yes, but some more also…
Its going to be a huge challenge, but what if is it possible!!!…lets give it a try, at least lets see how a Pocoyo script for a film would be.
We are already involved in the develop of a new series and we are not planning doing Pocoyo´s 3rd seasion by the moment. It´s too long to explain here why, we first need to consolidate the series, and this is really hard for a preschool one. I think we will, but in the next years and at this time we will need to develop diferent contents as, for istance the movie.
We did some tries with the illumination which is one of the more important issues in this adventure as long as we just work with this caracteristics white backgrounds and global ilumination.
Samanta Undari, the profesional who´s in charge of the matter, did a great job bringing Pocoyo to the inside sets, here you have a couple of examples.

5

http://pocoyo.blogs.com/

André Carrilho

Outubro 10, 2007

Camilo Castelo Branco faria ontem, se fosse vivo, 181 anos. A assinalar a data, o Centro de Estudos Camilianos, em Seide, Famalicão, inaugurou uma exposição de caricaturas de André Carrilho, intitulada Linha, Ponto e Vírgula. A mostra, integrada numa vertente da programação que visa fazer do edifício projectado por Siza Vieira um lugar de encontro da literatura com outras artes, reúne cerca de 80 caricaturas, todas elas de escritores, portugueses e estrangeiros.

De Oscar Wilde a Fernando Pessoa, de Dostoievski a Paul Auster, de Cesariny a Shakespeare, passando, claro, pelo próprio Camilo, ali se perfila uma verdadeira constelação de homens de letras. São eles, desta vez, a obra. Todos diferentes, todos com a alma chapada no papel, mas tendo entre si aspectos comuns, ainda que não lhes pertençam. André Carrilho tem essa virtude: a de fazer sobreviver um estilo próprio, inconfundível, à expressão fiel de íntimos pessoais radicalmente distintos.

Nascido em 1974, na Amadora, o ilustrador, designer gráfico, animador e caricaturista colaborou já com alguns dos mais importantes títulos da imprensa portuguesa (a exemplo do DN, que publica regularmente o seu trabalho), tendo conquistado vários prémios internacionais, entre os quais, em 2002, o Gold Award para Portfólio de Ilustração, pela Society for News Design (EUA). Marca presença assídua, também, em publicações estrangeiras de grande prestígio, casos do The New York Times ou do The Independent on Sunday.

Não foi, todavia, do currículo que Carrilho falou às duas turmas escolares que o esperavam, terminada a visita à exposição, no auditório do Centro. Aí, em tom informal, fez um voo rasado sobre os processos e as técnicas que experimentou até hoje, desde o começo da sua actividade profissional, em 1996.

Considerando que “o ilustrador é um prestador de serviços, não um artista isolado na sua mansão”, disse trabalhar, enquanto tal, “não para o papel, mas para o objecto impresso”, relativamente ao qual não é tão fácil assegurar a fidelidade do produto final, embora “haja formas de o conseguir”. Faz parte da aprendizagem.

A falta de tempo, factor inerente ao ritmo de produção dos jornais, “é, às vezes, uma ajuda, porque aguça a capacidade de síntese”, indispensável a quem exerça a sua função. “Caricaturar é tornar visível o processo de memorização do cérebro. Quanto mais rápido eu tiver de fazer uma caricatura, mais foco os pontos essenciais da fisionomia das pessoas”, revelou. De resto, “não é preciso ter uma lógica científica no desenho, mas uma lógica de percepção”. O espectador que junte os pontinhos.

Linha, Ponto e Vírgula fica patente em Famalicão até 14 de Maio.

André Carrilho trabalha profissionalmente desde 1992 como designer, ilustrador, cartoonista, animador e caricaturista, colaborando com diversos jornais e revistas portuguesas.
Ganhou vários prémios nacionais e internacionais e mostrou o seu trabalho, em grupo ou individualmente, em exposições em Portugal, Espanha, Brasil, França e Estados Unidos da América.
Em 2002 vence o Gold Award for Illustrator’s Portfolio da Society for News Design (EUA). Os seus mais recentes trabalhos incluem ilustrações para a New York Times, Harper’s, The Independent On Sunday e Vanity Fair.
Jantar em Lisboa é a sua primeira obra.

http://www.andrecarrilho.com/

FILMOGRAFIA

“Jantar em Lisboa”, Portugal, 2007, ANI, Betacam SP, Cor, 10′

Caricatura de Agustina Bessa-Luis, por André Carrilho.

<

O Instituto Politécnico de Viana do Castelo [IPVC] vai marcar presença na PortoJóia, exposição do sector da ourivesaria, que se realiza até ao dia 23 de Setembro, na Exponor, Matosinhos. A Instituição estará representada com o projecto Nuance, desenvolvido pelo curso de Design do Produto. “Tal facto é para o IPVC uma honra visto que a PortoJóia é um dos maiores eventos europeus do sector da ourivesaria”, referiu a propósito o presidente da instituição, Rui Teixeira.

A presença dos novos criadores e uma cada vez maior ligação das escolas tem sido uma aposta que a PortoJóia tem vindo a desenvolver nos últimos anos.

O projecto “Nuance” é fruto da colaboração entre a Escola Superior de Tecnologia e Gestão do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (ESTG – IPVC), o Museu do Ouro de Travassos, a Associação dos Ourives da Póvoa de Lanhoso e, em parceria com a Câmara Municipal de Povoa de Lanhoso, tem como objectivo o desenvolvimento de projectos no âmbito da filigrana.

Um grupo de estudantes, conjuntamente com alguns docentes desta Escola Superior, desenvolveu projectos no âmbito da joalharia, com o objectivo de conduzir a tradição milenar da filigrana para as novas formas contemporâneas por meio da ferramenta do Design.

Durante seis meses (duração do projecto) discentes e professores trabalharam ao lado de ourives da Póvoa de Lanhoso fortalecendo o papel do IPVC no seio da comunidade e das suas escolas superiores, nomeadamente da ESTG do IPVC, como uma instituição de Ensino de Design presente no território, que tem como missão a formação e a investigação, entre outras, e que pretende ser um factor de incentivo para o desenvolvimento do sector produtivo local.

A Oficina Cultural do IPVC promoveu recentemente um desfile que permitiu que o público tomasse o seu primeiro contacto com as peças. Agora na PortoJóia, as peças podem ser apreciadas novamente, num espaço onde se “respira a criação de novos designs”, área em que o IPVC tem demonstrado mais-valias. Recorde-se que a mesma Oficina Cultural realizou uma mostra de design, onde, sob o tema “10 anos de design de excelência”, mostrou alguns dos trabalhos de qualidade desenvolvidos por alunos e docentes ao longo de uma década de ensino ministrado.

MTV Dolls

Setembro 19, 2007

Emilie Simon

Setembro 17, 2007



Theo Jansen

Agosto 27, 2007

Theo Jansen é um engenheiro artista que pretende estudar o progresso da mobilidade e esculpir o ar que nos rodeia dando-lhe vida, dimensão e forma, ultrapassando as fronteiras do que sabemos e sentimos.

https://i0.wp.com/www.strandbeest.com/img/loekvdklis/lvdk040915-12.jpg

Obrigado Fontinha!! por este belo achado. Espero que se divirtam tanto quanto nós!! Simplesmente um génio.

Esta arte, a que se dá o nome de “Escultura Cinética“, consiste em trabalhos que possuam partes móveis, normalmente impulsionadas pelo vento ou pela mão do observador. As origens desde movimento datam de 1920, tendo como pioneiros os russos Naum Gabo and Antoine Pevsner.

A proposta que aqui fica de Theo Jansen é absolutamente admirável.

http://www.strandbeest.com/#

  Outros websites: Tim Prentice sodarace Strandbeest in YpenburgStrandbeest movies from Alexander Schlichter